ADELCIO MAJORA SALÁRIO DO “GUGU”

PRESIDÊNCIA DA FPF MAJOROU SALÁRIO DO "GUGU"

Mário Ferreira Santana, 60, é o mais cortejado dirigente da Federação Paraense de Futebol.
“Gugu”, como é conhecido, vive os corredores da FPF havia 17 anos, posto que chegou como árbitro, ao comando de Domingos Neto, sempre apitando no interior, e depois de 4 anos passou a integrar o Departamento de Interior da entidade, que tinha como dirigente Azael Ataliba.
Por dirigir havia 13 anos o Departamento de Interior da FPF, “Gugu” tem nas mãos a Associação das Ligas Esportivas do Estado do Pará. São 62 afiliadas à ALIDESP.
Esta condição fez com que o presidente Adelcio Torres o convidasse para uma reunião e ao final “Gugu” teve seu salário majorado e autonomia para comandar o Departamento de Interior da Casa.
Tudo aconteceu devido ao post deste blogue do dia 20 deste mês: LIGAS QUEREM “GUGU”NA CHAPA À PRESIDÊNCIA DA FPF”.
Mauro Jorge Santos, presidente da ALIDESP, e Afonso Nazareno de Fárias Menezes, presidente da Liga Esportiva de São Francisco do Pará, estavam no bar dos “Traíras” e manifestaram desejo de ver “Gugu” fazendo parte de uma chapa à presidência da Casa do Futebol, que terá em eleição em agosto.
Sem citar nomes, Mário Ferreira revelou ao blogue que, no dia da postagem, recebeu ligações de outros candidatos à presidência da FPF, ouviu e agradeceu e que preferiu continuar ao lado de Adelcio porque houve “respeito e valorização” do seu trabalho.
“Este teu blogue todo mundo acessa, e o presidente Adelcio me chamou e perguntou se era verdade, eu falei que sim, então, ele me propôs aumento salarial e a autonomia no Departamento de Interior, o que aceitei e continuarei a ajudar Adelcio”, confirmou “Gugu”.
Adelcio, presidente; Maurício “Bororó” e Paulo Romano, vice-presidentes, contam com apoio de Antônio Carlos Nunes de Lima, vice-presidente da CBF, que mantem via “uotizap” contatos com os dirigentes das ligas interioranas.
COPA DO BRASIL
Jogando na Vila Belmiro, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, Santos ganhou de 2 a 0 do Paysandu.
Time bicolor muito bem posicionado fez excelente primeiro tempo, e Leandro Carvalho perdeu a jogada cristalina de gol e não fez.
No segundo tempo, aos 3’, Bruno Henrique, em diagonal, meteu a bola no ângulo esquerdo de Emerson, fazendo 1 a 0 Santos.
As mexidas de Dorival Junior foram mais proativas que às do Marcelo Chamusca.
Ao sair Leandro Carvalho para e entrada de Jhonnatan, técnico do Santos tira o lateral-esquerdo Matheus Ribeiro e entra Copete; meia Lucas Lima sai para a entrada de Wladmir. Com estas duas modificações, time peixeiro chegou aos 2 a 0, em cobrança de falta à frente da área de Emerson, com Wladmir metendo cruzado para cabeceio de Copete, aos 44 do segundo tempo.
Taticamente, Paysandu se houve bem, mas continua se perdendo nas horríveis finalizações dos seus atacantes.
Papão perde invencibilidade de 15 jogos, e, no dia 10 de maio, em jogo de volta, enfrenta o Santos precisando de 2 a 0 para chegar aos pênaltis ou de três gols, sem levar, para passar às quartas de final da Copa do Brasil.
É o que há!

Destaques

“DEUS QUE ME LIVRE”

"SEU" CARLOS, PAI DE EDUARDO RAMOS, REVELA FATOS COMPROMETEDORES...

Domingo, 23, no SHOW DE BOLA, da Rádio Marajoara-AM-1130, o técnico Josué Teixeira foi denominado como o “quebrador de mito”, obtendo a maciça preferência  dos ouvintes que interagiram com o programa.
“Seu” Carlos, pai de Eduardo Ramos, deu a resposta, via “uotizap”. Eis o depoimento:
Time do Remo é complicado demais. Manoel Ribeiro é o presidente. Tinha que chamar o Eduardo na sede e o Josué e falar: o que está acontecendo aqui? O Remo está sendo prejudicado por causa de vocês dois; o Remo não pode ser prejudicado por você Josué e nem pelo Eduardo; peguem nas mãos vocês dois aí, e ponham ponto final nisso! Esqueçam o passado pra trás (sic) e vamos trabalhar, vamos pra cima e vamos tentar ser campeão. Ninguém fala nada. O Manoel Ribeiro não liga para ninguém. Ninguém diz nada. O Ricardo Ribeiro fala que o Josué é errado; Ricardo Ribeiro ligou para o Eduardo não jogar… entendeu? Uma briga árdua dentro do Remo; Ricardo Ribeiro já brigou com este Josué; aí o Manoel Ribeiro apoia Josué contra o Ricardo Ribeiro, contra o Departamento Médico. É uma confusão que Deus me livre! Ninguém resolve nada…é complicado demais… umas picuinhas dessas o maior prejudicado de tudo é o Remo…quem sai prejudicado de tudo é o Remo, infelizmente.
EDGAR
O Josué acabou com a carreira desse menino aí em Belém. Almoçaram no Shopping, aí em Belém, Eduardo e ele, e todo mundo fala que o cara é drogado; que o cara é alcoólatra. Eles chegaram para almoçar, os caras ficam cochichando…sabe? Falando mal do menino. Como é que expõem um negócio desse do cara, “seu” moço? Em vez de resolver o “trem” internamente, sem vazar nada… aí ele vai na imprensa fala que o cara é dependente químico…que o cara tem que fazer um tratamento: acabou com a carreira desse menino aí. Que time vai contratar este Edgar? Me fala, aí? Qual time vai contratar ele? Todo mundo fala que o cara é viciado em cocaína. E ele expõem o cara desse jeito? É complicado demais este Josué, moço! O presidente do Cuiabá tirou ele, demitiu ele antes de um jogo dentro do estádio. Falou pra ele: Você vai saí ou quer que meus seguranças te tirem de dentro do estádio? Por causa dessas picuinhas, esses “trens” que ele arruma aí, moço.
DIA DO GOLEIRO
26 de abril é o dia do goleiro.
A palavra se renova, se reinventa, mas não perde o poder semântico.
Em 1971 nasceu o repórter que sou, em Macapá, e lembro que os arqueiros eram Coxixiba, do CEA; Wanderlei, do Juventus, e Zé Roberto, do São José.
Arqueiro, golquíper, guarda-meta, guarda-vala e guardião desaparecem das bocas dos narradores e repórteres e surge goleiro, corruptela de goal (do original inglês).
Igual a piloto de avião, o goleiro não pode errar, porque passa do céu ao inferno em segundos: de herói a vilão. Um ótimo goleiro tem a visão de iniciar a jogada que redunda, em poucos passes, em gooooooool! É ver e entregar a bola para quem está desmarcado.
A data foi oficializada em 1976 por ser o dia do nascimento do goleiro Manga, do Internacional, e seleção canarinho de 1966.
Nestas más traçadas linhas deste 26 lembro de Dico, Edson Cimento, Mário Fernando, Sérgio Gomes, Nunes, Bracali, Adriano, Alexandre Fávaro, Clemer e atualmente, em Belém, André Luís e Emerson, este, na minha opinião, o melhor de todos, o elástico.
É o que há!

Destaques

CHEGAM OS PRIMEIROS REFORÇOS DO CLUBE DO REMO

MIKAEL, MARCELO LABARTHE E BRUNO COSTA CHEGAM E SÃO RECEBIDOS PELO TÉCNICO JOSUÉ

Nada melhor do que após retumbante vitória sentir o reconhecimento do torcedor.
Início da tarde de segunda-feira, 24, no saguão do aeroporto de Belém, Josué Teixeira, sorridente, era o homem mais feliz, cumprimentado, abraçado, selfies em grupo e lá chega o repórter.
Não perdeu o rebolado, aliás os diretores Marco Pina, Paulinho Araújo, Cláudio Bernardo e o jornalista Rafael Graim, assessor de imprensa, sorriram quando viram que não estavam a sós esperando pelos jogadores contratados pelo Clube do Remo.
Ô perseguição! Marco Pina a todo momento atendia o celular e respondia “é com Josué” ou respondia mensagens de texto pelo “uotizap”.
Josué Teixeira, depois de um tempo, senta e diz que temeu pela saúde do presidente Manoel Ribeiro ao vê-lo chorando no vestiário após a vitória desmedida diante do Independente.
Como o repórter não se sentiu inoportuno, enturmou-se: Josué indaga como foi a enquete entre o “mito e o Saci”. (Referiu-se a pesquisa do SHOW DE BOLA, da Rádio Marajoara).
“Você quebra mito. Apenas um ouvinte se manifestou contrário à sua postura”, respondeu o repórter, e, indagando em seguida, o que seria de Eduardo Ramos.
“Ele tem contrato com o Remo. Ele é jogador do Remo. Está sob cuidados do DM, mas que não tem comparecido. Quando ele terminar o tratamento deve se apresentar ao Marco Antônio Pina e o presidente Manoel Ribeiro, que decidirão se ele continua ou não”, confirmou o técnico azulino.
Aparecem no saguão Mikael Severo Burkatt, 24, meia-atacante, gaúcho, e jogava no Passo Fundo; Marcelo Martini Labarthe, 32, gaúcho, meia, que jogou no Ypiranga de Erechim, e Carlos Bruno Gomes Costa, 30, zagueiro, estava no América-RN.
Jornalista Rafael Graim, assessor de imprensa do CR, educadamente, pede que não haja entrevista. E o repórter respeita.
Os atletas que o Remo está contratando são indicações do técnico Josué Teixeira.
É o que há!

Destaques

VIVA A OUSADIA!

WAL BARRETO MARCOU O GOL QUE CLASSIFICOU O REMO À FINAL..

Josué Teixeira não teve medo de ser ridículo em ousar a desmascarar o “mito”; reinventar Marquinhos de meia; atacante Jaime de lateral, e avançar o time do Remo, jogando, no segundo tempo, no campo do Independente.
Não poderia perder para um time que se apequenou, o Independente, infelizmente, foi um time arregão.
O bom técnico tem 15’ para fazer sua equipe jogar o que não jogou no primeiro tempo.
Foi César Moraes, na década de 80, na Curuzu, quem me passou este ensinamento.
E aí está não o conhecimento, mas a ousadia, a observação dos detalhes da forma como jogou o adversário.
No Remo, Josué Teixeira tem tirado leite de pedra, e não tem medo de ousar, de mudar, de inventar como inventou no jogo contra o Independente, que tomou de 3 a 1, no tempo normal, e nos tiros livres direto da marca da cal perdeu de 10 a 9 para o Clube do Remo, que chega à final do Parazão, merecidamente.
Josué não teve medo de bater de frente com o “mito” Eduardo Ramos e valorizou e tem demonstrado que conhece futebol; sabe trabalhar com o que o Clube do Remo tem no Baenão, a garotada.
Clube do Remo e Independente foi um jogo, tecnicamente, sofrível no primeiro tempo, em que o “Galo” saiu na frente ao marcar 1 a 0, aos 12’, em chute de Magno, de fora da área, que o goleiro remista André Luís falhou ao pular atrasado na bola.
A melhor jogada do CR surgiu dos pés de Gabriel Lima, aos 46’, chutando a bola para fora ao ficar de cara com Evandro Gigante.
Os atacantes Wegno, Monga e Magno se movimentavam e prendiam os zagueiros azulinos.
Por contusão, ainda no primeiro tempo, Remo substitui lateral-esquerdo Jaquinha por Lucas Vitor.
Na segunda etapa, Remo volta aceso; Josué ousa ao tirar lateral-direito Léo Rosas, e entra com João Vitor, passando o atacante Jaime para ser o lateral-direito: mudou o panorama de jogo em favor do Clube do Remo.
Jaime, pela direita, e Eliseu, pela esquerda, passaram a infernizar a zaga do Independente com bolas cruzadas.
Independente recua, porque perdendo até de 2 a 1 estaria classificado, e se utilizou da saída em contra-ataque: não deu certo porque Wegno, Monga e Magno não tinham mais pernas.
A reação remista começou aos 2’ com Eliseu metendo no segundo pau para o cabeceio de João de Vitor para o meio da área do “Galo” e Igor João, de cabeça, empata: 1 a 1. Começava a ser depenado o “Galo”.
Remo dominou, teve posse de bola e errou poucos passes, com Jaime e Eliseu se transformando nos melhores jogadores em campo.
Visivelmente dominado, cansado, independente só se defendia e cedia escanteios com Martone se sobressaindo na zaga. Aos 40” Tsunami cabeceia a bola oriunda de escanteio: Remo 2 a 1.
E de bola cabeceada, Remo chegou aos 3 a 1 por intermédio de João Vitor, aos 42’.
Com o resultado, o Remo e Independente disputaram a decisão de ir à final do Parazão nos tiros livres direto da marca do pênalti.
4 a 4 na primeira parte (João Vitor (CR) e Weslei Bigu (Independente) perderam).
Nas cobranças alternadas, Remo faz seis e o Independente 5. No total: Remo 10 a 9.
RE-PA decidirá no Parazão/17, começando no domingo, 30, no Mangueirão, a primeira partida.
O monumental religioso Desmond Tutu revelou num sermão que “às vezes para se obter vitórias na vida, necessário se faz pisar em caminhos que até os anjos se recusam a pisar”:
Clube do Remo e Paysandu decidirão o campeonato de futebol profissional a partir do próximo domingo, 30, e a última partida dia 7 de maio.
É o que há!

Destaques

PAYSANDU É FINALISTA DO PARAZÃO

BERGSON FAZ TRÊS E PEDIRÁ MÚSICA NO FANTÁSTICO DA GLOBO

Paysandu ganha de 3 a 1 do São Raimundo, de Santarém, à noite de sábado, 22, no Mangueirão e é finalista do Parazão desta temporada
Com a vitória, time bicolor está invicto há 15 jogos: 10 vitórias e 5 empates.
Time mocorongo, comandado pelo Lechava, entrou em campo afoito, partindo logo para cima da zaga bicolor, e aos 30″, Alexandre ficou de cara com Emerson e meteu a bola no travessão.
Bem postada, com ótima postura de Perema, zaga bicolor contou com a excelente cobertura de Augusto Recife, que deu cobertura pelo lado esquerdo por onde saiam as jogadas ofensivas de Chaveirinho.
Erick Foca fazia bem a penetração pelo meio da zaga bicolor e Alexandre era o homem surpresa.
Perema, aos 12’, salvou o Paysandu a tomar um gol do São Raimundo, pois Emerson estava fora do lance.
Como verdadeiro meia-atacante, Diogo Oliveira fez ótima transição entre meio-campo e ataque e os laterais bicolores – Ayrton e Hayner – foram peças importantes no ataque bicolor.
Em avanço pela esquerda, aos 12’, Hayner penetra, mete na área e Bérgson bate de peito de pé para fazer Papão 1 a 0. Paysandu vence São Raimundo de 3 a 1, no Mangueirão, à noite de sábado, 22, e é finalista do Parazão/17.
Logo no início do segundo tempo, aos 7’, em falha da zaga bicolor, Alexandre empatou a partida.
Jogando intensivamente, São Raimundo buscava o segundo gol, mas se perdia nas finalizações de Chaveirinho, Érick Foca e Alexandre.
Aos 20’, Bérgson fazia de pênalti 2 a 1 Paysandu, depois que o atacante sofreu falta dentro da área cometida por Wanderlan.
Hayner sofreu pênalti, aos 25, cometido por Leandrinho, que Bérgson cobrou e fez Paysandu 3 a 1.
Bem marcado, Leandro Carvalho não se houve bem, mas perdeu um gol que poderia ser de placa, aos 41’, ao ter a bola dominada, fica de frente para o goleiro Roger Kath, que sai para abafar a jogada, mas Leandro Carvalho a encobre, com a bola passado ao rente ao poste lateral esquerdo do ótimo goleiro do São Raimundo.
A última derrota do Paysandu aconteceu em 12.02 para o Clube do Remo: 2 a 1.
SOB SUSPEITA 2
Desde àquele dia 1 de maio de 2014, em que o Remo venceu de 4 a 0, do Independente, no Baenão, pelo campeonato estadual, que se criou uma “indiferença” entre o árbitro da partida, Joelson Silva dos Santos, 37, e a direção da FPF, à época, coronel Nunes.
Inexplicavelmente, Joelson foi defenestrado do quadro de árbitros da Federação Paraense de Futebol.
Caí em campo: o Nunes me revelou um “deixa para lá” desanimado.
Fui à casa do Joelson entrevistá-lo e na oportunidade me disse que talvez a “indiferença” do Nunes é que, segundo lhe informaram, contaram para o Nunes que ele (Joelson) teria feito campanha contra o Nunes no interior.
“Não é verdade”, Joelson desmentiu para o blog
Eis que Remo e Independente voltam a cruzar os bigodes, pelo Parazão/17, quase que nas mesmas circunstâncias de três anos atrás, e o presidente do “Galo”, indiretamente, revelou fatos que não me eram estranhos, só não havia provas concretas.
É verdade! É bom que se diga, que em 2014, em Tucuruí, o Remo pegou de 3, e o jogo de volta, aqui, seria no Mangueirão, mas inventaram uma reforma no Mangueirão para justificar, para fechar e levar o jogo para o Baenão. E você sabe o que aconteceu: expulsaram jogador nosso, marcaram pênalti que não houve, tanto é verdade que o juiz que apitou este jogo passou mais de um ano na “geladeira” e voltou a apitar agora, tanto é verdade o que aconteceu com o Independente que o coronel Nunes descobriu e colocou este árbitro na “geladeira”. Ele voltou agora a apitar. Espero que a Federação esteja atenta, posto que o presidente do Remo está dizendo que vai ser campeão…tem que jogar, tem que ser dentro de campo, tem que acabar com este negócio de extracampo. Estamos atentos.
Dizendo estar em Santarém, Joelson Silva dos Santos, 37, revelou ao blogue, que voltou a apitar em 2016, sendo escalado cinco vezes, mas se contundiu; este ano já atuou em seis partidas do Parazão, mas que “primeiro tenho que ouvir a “sonora” do Delei em teu programa, na Rádio Marajoara, certo? ”, disse.
Insisti se ele iria tomar providências judiciais, no que me respondeu: “Conversei com o diretor de arbitragem da Federação, e o Fernando Sérgio Castro me disse para eu silenciar”, concluiu.
Dentro do contexto “machadiano”, perguntas absurdas não merecem respostas, mas, há o outro lado da questão: quem cala consente.
É o que há!

Destaques

PSC TERCEIRIZA ESTACIONAMENTO DA SEDE

NO SUBSOLO DA SEDE HA VAGAS PARA 40 CARROS: EMPRESA ADMINISTRARÁ

“Paysandu continua pensando como empresa. Não podemos deixar que pessoas estacionem seus carros no subsolo da sede e vão resolver problemas pela redondeza. Fizemos uma vistoria e encontramos 18 carros de pessoas que não tinham nada a ver com o Clube. Então, como fazem as grandes empresas, terceirizamos o estacionamento a partir de 1º de maio”, confirmou o vice-presidente bicolor, engenheiro Toni Couceiro.
A decisão da diretoria alviceleste, a princípio, causou impacto entre torcedores, sócios, sócios-torcedores e compradores das lojas LOBO quando anunciei no “tuíter”, na segunda-feira, 17, porém a terceirização será uma receita a mais ao clube, que lucrará, e o espaço será organizado pela empresa que administrará o estacionamento para 40 carros.
“Haverá regras”, disse Toni Couceiro, se referindo àqueles que vão à sede para comprar produtos do clube, pagar suas mensalidades e resolver problemas na secretaria do Paysandu, “desde que comprovem”, garantiu.
“Além da segurança com as presenças de manobristas no estacionamento, o cliente bicolor ao deixar a sede receberá um “voucher” (comprovante) como cliente do clube e será beneficiado”, confirmou Toni Couceiro.
Paysandu quebra uma norma desde 2012, quando Vandick assumiu o bicola: o Clube passou a administrar o seu patrimônio.
Vice-presidente Toni Couceiro explicou que a terceirização se deva porque o Clube não tem a logística necessária para administrar o estacionamento do subsolo da sede social, e “agimos como às grandes empresas”, concluiu.
O presidente Sérgio Serra revelou ao blogue que além dos recursos que disponibiliza para pagar em dia compromissos, novas ferramentas serão implementadas na atual administração.
“É uma equipe trabalhando coesa para que o Paysandu seja uma verdadeira empresa”, concluiu Serra.
Perguntar na ofende: se o Paysandu terceirizou o subsolo da sede, que com manobrista, terá espaço para 40 carros, imagine o espaço em torno da sede social do Clube do Remo?
É o que há!

Destaques

CBB MOSTRARÁ À FIBA NOVAS MEDIDAS

GUY, MARCELO E FONTENELLE NA PORTA DA FIBA EM GENEBRA

A alta cúpula da Confederação Brasileira de Basquete embarca para Suíça.
Guy Peixoto, presidente; Marcelo Souza, diretor executivo, e Carlos Fontelle, secretário geral da CBB, estarão nos dias 24, 25 e 26 de abril participando de “workshop” da FIBA – Federação Internacional de Basquetebol, em Genebra.
Nos três dias, Guy Peixoto e assessores apresentarão aos conselheiros da FIBA às medidas administrativas implementadas junto à Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e o planejamento estratégico para os próximos anos.
Guy, Marcelo e Fontelle estão confiantes que a exposição com dados concretos do que vem sendo feito, em pouco tempo à frente da CBB, seja essencial para que a entidade internacional do basquete acredite na nova postura administrativa do basquete nacional.
A exposição do planejamento da administração Guy Peixoto, como presidente da CBB, será avaliada no “Board” (Conselho) da Federação Internacional de Basquete nos dias 4 e 5 de maio, em Macau, na China.
“Estamos confiantes que após a exposição de Guy Peixoto sobre as novas medidas administrativas e financeiras implementadas na CBB, a FIBA anule a suspensão imposta ao basquete brasileiro de não participar de competições internacionais – a seleção nacional e qualquer clube do nosso país”, garante Marcelo Souza, diretor executivo da Confederação Brasileira de Basquete. Sucesso!
O basquetebol brasileiro está suspenso pela FIBA desde novembro de 2016.
É o que há

Destaques

SOB SUSPEITA

DELEI, DO INDEPENDENTE, E MANOEL RIBEIRO, DO CR, ENCONTRAM-SE NA PORTA DA FPF

No momento de “pós-verdades”, de comunicação entre os homens no piscar d’olhos, da ciência trabalhando em prol de facilitar a vida da humanidade, ainda vejo que este mesmo “serumano” regride moralmente.
A lei de Gerson (pessoa que age de forma a levar vantagem em tudo que faz) se faz presente em todos os seguimentos da sociedade brasileira: é o caso do zagueiro Rodrigo Caio, do São Paulo, que ao dizer a verdade, fez o árbitro anular o cartão amarelo que deu ao atacante Jô.
Pelo “fair play”, Rodrigo Caio sofre “bullyng” dos colegas pela atitude nobre.
O sofrimento oculto do zagueiro são-paulino e a atual conjuntura nacional me faz lembrar de Ruy Barbosa que, no limiar do século XIX, dizia que o “homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. ”
Não sei quem é, mas sei que é repórter de rádio (diz que “ponteiro” da prefeitura de Tucuruí) que telefonou para os dirigentes do Independente e “fuxicou” que o goleiro do “Galo” estaria recebendo proposta para aplicar o “mememe” no jogo contra o Clube do Remo.
Delei Santos, o dirigente do Independente, presente na Federação, quarta-feira, 19, deu este depoimento ao blogue:
ATENTOS
É verdade! É bom que se diga, que em 2014, em Tucuruí, o Remo pegou de 3, e o jogo de volta, aqui, seria no Mangueirão, mas inventaram uma reforma no Mangueirão para justificar, para fechar e levar o jogo para o Baenão. E você sabe o que aconteceu: expulsaram jogador nosso, marcaram pênalti que não houve, tanto é verdade que o juiz que apitou este jogo passou mais de um ano na “geladeira” e voltou a apitar agora, tanto é verdade o que aconteceu com o Independente que o coronel Nunes descobriu e colocou este árbitro na “geladeira”. Ele voltou agora a apitar. Espero que a Federação esteja atenta, posto que o presidente do Remo está dizendo que vai ser campeão…tem que jogar, tem que ser dentro de campo, tem que acabar com este negócio de extracampo. Estamos atentos.
“SUSPEITO”
Têm diretores de um clube assediando nossos jogadores, nossos atletas, mas ninguém vai conseguir mexer com o nosso grupo. Eles estão fechados. Vamos se classificar e chegaremos a mais uma final. É inédito: em oito anos, o Independente chega à terceira semifinal e isso é motivo de orgulho e de alegria para a gente.
DÉBITO
O Remo deve para o Independente R$ 17.000,00 (dezessete mil reais), mas é da diretoria passada, que a atual deve pagar, mas se fosse ao contrário estariam chamando a gente de caloteiros, mas já conversei com o presidente do Remo.
OS FATOS
A partida aconteceu no dia 01.05.2014, no Baenão, e o Remo precisava vencer por uma diferença de 4 gols, e venceu.
Joelson Silva dos Santos apitou o jogo e marcou pênalti contra o Independente e expulsou o volante Silva.
Presidente do Clube do Remo era o vereador Zeca Pirão.
A partir deste jogo Joelson Silva foi afastado do Departamento de Árbitros da Federação Paraense de Futebol, sem quê nem para quê.
Entrevistei o árbitro Joelson e me revelou que de nada sabia sobre o seu afastamento do quadro de árbitros da FPF.
Nunes, quando presidente da FPF, por mim questionado, preferiu o “deixa para lá”, mas eis a verdade. E eu tenho “sonora” do Delei Santos.
Simplesmente, se é verdadeiramente repórter, o caráter está rés-do-chão. Não é repórter! É crápula!
É o que há

Destaques

LIGAS QUEREM “GUGU” NA CHAPA À PRESIDÊNCIA DA FPF

LIGAS QUEREM GUGU EM CHAPA À PRESIDÊNCIA DA FPF

Com perdão da palavra, mas a sede da FPF é uma serra pelada de “pós-verdades” e fatos.
Fui à Federação Paraense de Futebol e na entrada encontro Delei, do Independente, e Manoel Ribeiro, do Remo, em cumprimentos e abraços.
O dossiê apresentado pelos auditores, que havia 4 meses ficaram enfurnados na sede azulina revirando papeis, tem conclusão que o rombo nas contas do CR é estratosférico.
“Li e é estarrecedor, mas deixarei para o CONDEL, se quiser, divulgar”, confirmou Ribeiro.
Presidente Manoel Ribeiro me revelou que o “Remo será campeão” ante a presença do dirigente do Independente.
Por assim dizer, Delei me revelou que o que aconteceu em 2014, no Baenão, quando o “Galo” tomou de 4 a 0, “não acontecerá domingo, no Mangueirão”.
“Naquele jogo arranjaram reforma no Mangueirão e trouxeram o jogo para o Baenão; o juiz fez o que fez com o Independente, mas quando o coronel Nunes ficou sabendo da sacanagem, o árbitro passou três anos afastado, voltou agora a apitar”, revelou Delei.
E sobre jogador que estaria no “bolso”, Delei foi claro: “Reuni com elenco, à tarde de terça-feira, e falei que há zunzunzum sobre propostas indecorosas. ”
O presidente Sérgio Serra assiste ao sorteio da arbitragem do jogo do seu Paysandu, e após, no corredor da sede, me revela que o Clube tem que funcionar como empresa e a terceirização do estacionamento da sede é real.
“A empresa respeitará critérios que atenderão a demanda do Clube”, confirmou Serra.
No bar dos “traíras”, Mário Sérgio, o “Gugu”, diretor do Departamento de Interior da FPF, era questionado por dirigentes de Ligas do Interior sobre a condição de ser vice na chapa do presidente Adélcio.
“Não dá, porque já está fechada com Mauricio Bororó e Paulo Romano. Eu já conversei com o presidente Adelcio”, disse “Gugu” a dois dirigentes de Ligas do Interior: Afonso Nazareno de Farias Menezes, 48, presidente da Liga de São Francisco do Pará, e Mauro Jorge Santos, presidente da Associação das Ligas do Estado do Pará (ALIDESP).
“Estamos apoiando o ‘seu’ Mário; queremos ele numa chapa, e isso não é de hoje, porque ele é uma pessoa do interior e conhece a nossa realidade”, revela Afonso Nazareno.
O presidente da ALIDESP, Mauro Jorge, líder da Liga de Melgaço, confirmou que a entidade tem 47 filiadas e que apoiam o Gugu a fazer parte como vice numa chapa à presidência da FPF.
“As Ligas Municipais têm o Mário, há tempo, como parceiro para o desenvolvimento do esporte no interior paraense, porque ele visita as ligas, participa das nossas competições, então estamos nesta luta indicando à Federação o nome do ‘seu’ Mário como o nosso representante na chapa”, confirma Mauro.
“A chapa do Adelcio está fechada”, disse o repórter. “Eu quero ouvir isso da boca dele”, concluiu Mauro Jorge.
Dificilmente, a chapa de Adelcio, Bororó e Romano terá o consenso da grande maioria das Ligas do Interior diante do prestígio de “Gugu”.
É o que há!

Destaques

AOS TRANCOS E BARRANCOS, PAPÃO CHEGA LÁ

AO TENTAR TIRAR A BOLA TOCADA POR HAYNER, ZAGUEIRO JEFERSON FAZ CONTRA

Sem jogar de forma aplicada, no primeiro tempo, Paysandu passa pelo Santos-AP por 3 a 1 e chega pela terceira vez à final da Copa Verde.
Aplicado na marcação e no toque de bola, “Peixe” macapaense fez por merecer 1 a 0 na primeira etapa, gol de Fabinho cobrando pênalti, aos 14 minutos.
A marcação da penalidade foi correta pelo assistente Rener Santos de Carvalho (AC), que viu o toque de mão do zagueiro Perema ao subir para cabecear em bola de escanteio.
Atabalhoadamente, time bicolor não se encontrou no primeiro tempo, se perdendo em passes errados e sem disposição para sair da forte marcação santista.
Time bicolor deixa o campo, no primeiro tempo, vaiado pelo torcedor bicolor, que não gostou de Ayrton, Hayner, Alfred, Jhonnatan e de não ver o time bicolor com padrão tático de jogo.
Retraído e saindo em contra-ataque, time macapaense tocava a bola de pé em pé e explorava a lucidez de Fabinho com a bola nos pés. Fez por merecer 1 a 0 na primeira etapa de jogo.
Paysandu e Santos voltam a campo, para o segundo tempo, com as mesmas formações, mas o time de Chamusca volta com sangue no olho e Diogo Oliveira habilidade técnica e visão de jogo.
Aos 5 minutos, Hayner entra pela direita mete do lado do goleiro Axel e o excelente zagueiro Jeferson, na ânsia de tirar a bola, acaba tocando para dentro do gol, fazendo o gol de empate do Papão.
Não errando passes, time de Chamusca domina meio-campo com Diogo Oliveira no papel de meia-armador faz time bicolor ser mais incisivo e chega ao segundo gol, aos 13’, depois de Jhonnatan entrar pela direita, cruza rasteiro para ótima finalização de Diogo Oliveira: Paysandu 2 a 1.
Até então, Alfredo era uma figura inexpressiva em campo, mas aproveitou ótimo cruzamento de Diogo Oliveira, em bola “cavada”, para sacramentar vitória bicolor de 3 a 1, aos 24’.
Por reclamação, porque Diogo Oliveira teria cometido falta no zagueiro Diney, Balão Marabá foi expulso pelo árbitro Antônio Neuriclaudio (AC).
Com menos um em campo, técnico “Perereca” reforça o sistema ofensivo com as entradas de Talysson, no posto do volante Bruno, e Jean Macapá no lugar de Luciano, mas nada que pudesse ameaçar defesa bicolor.
Com placar favorável, Marcelo Chamusca troca Alfredo por Wil; Jhonnatan sai para a entrada de Rodrigo Andrade, e Willian Simões no posto do lateral Hayner, que ainda não disse a que veio para o Paysandu.
Tecnicamente e táticamente, sem convencer, time bicolor chega à final da Copa Verde, que será disputada em 3 e 17 de maio, contra o vencedor de Luverdense e Rondoniense, que jogam quinta-feira, 20, em Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso.
No primeiro jogo, Luverdense ganhou de 2 a 1.
Dia 24, segunda-feira, CBF fará sorteio para se conhecer o local da final.
É o que há!

Destaques